DSC03137 2

(Dia 3 do Caminho de Santiago. Vilaserio – Olveiroa : 20 km)

Seis e meia da manhã. A Lua ainda está alta, e gigante. Um circulo de luz perfeito que torna o nevoeiro prateado. As árvores são, a esta hora, recortes negros a pairar neste mar calmo de humidade reluzente. Os nossos passos ecoam no silêncio abafado da névoa que nos abraça.

Paramos a admirar uma árvore solitária numa clareira, que parece prender um feixe de luz e um fiapo de nuvem só seus.

Do lado oposto à lua começa a sair a luz do Sol. Ainda antes do próprio se tornar visivel o céu passa a lilás, primeiro, azul clarinho, rosa e laranja, depois. Subimos um pouco e ficamos acima da névoa, a temperatura aumenta. Descemos e voltamos a ficar mergulhados. Quando voltamos a subir já uma bola quase vermelha se desprende do horizonte. A Lua, que olha para ela de frente, continua enorme, mas mais baixa e agora alaranjada.

Andámos muito pouco…Impossível não parar a admirar este namoro.

***

O primeiro terço do caminho foi um prazer. Floresta e campos cultivados, tudo molhado de orvalho e dourado pelo sol que atravessava e se expandia na neblina ainda presente.

DSC03143

Centenas de teias de aranha a unir silvas e árvores. Polígonos concêntricos perfeitos , com o bicho no centro (a dormir?), decorados com pérolas de orvalho.

IMG_0117

O Caminho também é apercebermo-nos desta Natureza que tantas vezes nos passa ao lado.

Os restantes terços, quase só estrada. Paisagem variada, e bem mais bonita que ontem, mas o alcatrão não combina comigo. Hoje não andei sozinha, e isso facilita. A piada fácil, o desabafo, o comentário ao que nos rodeia fazem o tempo e a distância avançarem. O meu mindinho constantemente a doer atrasa-os de novo um bocado.

DSC03147

Temos três pelotões. O Luis Sá vai à frente, tipo batedor. O ritmo dele é o ritmo dele e não é para nós aguentarmos. As meninas, nós, seguimo-lo a um passo médio, mas constante. O Filipe e o Luís vêm atrás, mais em passo de passeio e com paragens frequentes (Na minha cabeça trazem chapéus de palha e vêm com cestos de vime, a colher amoras. Na realidade só a parte das amoras acontece).

O caminho é o de todos, mas também é o de cada um.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s