De Templos e Poetas

SONY DSC

Há sítios que não valem pelo aspecto que têm, mas pelo que representam. Ou pela energia que transmitem. Ou então sou só eu que tenho um fraquinho por poetas. É uma hipótese provável.

Valluvar Kottam desapareceu da edição do Lonely Planet 2013. Felizmente eu tinha uma edição mais antiga e fui até lá. Mal li a história soube que tinha. Não me enganei.

Thiruvalluvar foi um poeta que viveu algures entre os séculos III e I A.C (não existem registos comprovados das datas). Um tecedor de profissão, escreveu o poema Thirukkural quando lhe pediram para passar a escrito os seus ensinamentos orais. Em 1330 estrofes aborda, de uma perspectiva ética, a virtude, a riqueza e o amor. Ainda hoje é usado como código de conduta moral por milhões de pessoas e Thiruvalluvar é considerado um santo.

Toslstoy, na sua “Carta a um Hindu” (que influenciou a postura de revolução não-violenta de Ghandi) faz referência ao Thirukkural.

SONY DSC

Valluvar Kottam é um memorial ao poeta/santo. Um templo com a forma de um carro de pedra, ao estilo tradicional Tamil, com a altura de 39 metros, puxado por dois elefantes. No topo, uma estátua de Thiruvalluvar em tamanho real.

SONY DSC

As esculturas que adornam a torre remetem para versos do poema. Em frente a ele ( e dando-lhe acesso, pelo terraço) um edifício de 3 andares. No térreo, um auditório com capacidade para 4000 pessoas. Hoje era um monte de restos de uma qualquer feira, provavelmente relacionada com o Pongal (festival da agradecimento ao sol pela abundância nas colheitas). “Is finished Mam, sorry. On the 22 new.”  O 1º andar é uma mezzanine, os Balcões Kural, onde se encontram as 1330 estrofes, gravadas em placas de granito dispostas como livros abertos. O terraço é enorme e cobre toda a área do edifício, dando acesso à estátua através de uma ponte.

A entrada principal do complexo é feita de frente para este edifício, com a carruagem meio escondida. Ao passar os portões aflora-me automaticamente um sorriso. Vejo um jardim, umas escadas com um portal e a cúpula do templo ao fundo. Três planos de belezas distintas. Um pouco gastos? Definitivamente. Há lugares mais bonitos? De certeza. E vou passar por eles. O que é perfeito, na realidade: ir num crescendo de beleza e imponência, em vez de desilusões.

SONY DSC

A mezzanine tem ar de casa de banho, toda em azulejos. Mas ali estão eles, gravados em granito. Livros de pedra que estão na obscuridade e reflectem a luz das janelinhas, a espaços.  Palavras que não entendo, mas que têm milhares de anos. Poemas de um tecedor que se tornou líder moral de milhões de pessoas. Homem ascendido a santo através da poesia. Como não vir até aqui?

SONY DSC

 

4 thoughts on “De Templos e Poetas

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s